MAIORIA EM ASSEMBLEIA APROVA PROPOSTA DO TST E MANUTENÇÃO DO ESTADO DE GREVE

A forte mobilização garantiu aos trabalhadores a manutenção do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), preservando os benefícios e conquistas históricas. Ontem (14), em assembleia do SINTECT/DF, a maioria dos ecetistas do Distrito Federal e do entorno aprovaram a assinatura do ACT pelo Comando de Negociações nos moldes da proposta do Tribunal do Superior do Trabalho (TST). Além disso, também aprovaram à moção de repúdio ao presidente dos Correios, Carlos Fortner, pela tentativa de interferir na proposta do tribunal, o ingresso do Procedimento de Mediação Pré-Processual (PMPP) quanto à abusividade do plano de saúde e a manutenção do estado de greve, em decorrência da campanha jurídica e política que terá início com o ingresso do PMPP.

Plano de Saúde

Quanto ao plano de saúde, embora a representação da categoria ainda trave uma batalha incessante, o ministro informou que a questão não teve julgamento definitivo. Logo, a situação do benefício continua regida pelo processo TST-DC-1000295-05.2017.5.00.0000. Ficam sem alteração apenas questões sobre os exames periódicos e a gratuidade em caso de acidente de trabalho. Por isso, a decisão do Informe Unificado das federações, FENTECT e Findect, de seguir com o caso, entrando com o PMPP, para encontrar uma solução para dar fim ao custeio oneroso do plano de saúde dos ecetistas.

Segundo o secretário geral da FENTECT, José Rivaldo da Silva, os representantes dos trabalhadores questionaram o ministro sobre um pedido de mediação. “Se os trabalhadores proporem uma revisão em forma de protesto, o tribunal vai aceitar o processo de mediação como aceitou o pedido da ECT? O ministro respondeu que ‘Se entrarem, a gente acata e convoca a direção dos Correios para sentar e rediscutir o plano sob mediação’”, relatou Rivaldo, que deixou clara a existência de condições para o debate de uma forma mais ampliada sobre como reduzir o percentual de pagamento do plano.

Postalis

Na oportunidade, Jailson informou acerca do pedido de CPI do Postalis feito a Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal, dia 06/08.

Estado de greve

Embora a proposta não traga prejuízos à categoria, fica a crítica quanto ao posicionamento do TST, que interferiu na campanha salarial antes mesmo de existir o conflito. A presidenta do SINTECT/DF, Amanda Corcino, lembrou que há uma autonomia sindical que deve ser preservada e que o comportamento do tribunal é lamentável.

A proposta dividiu a categoria e esvaziou as assembleias. “Assembleia é para mostrar organização, posição e a insatisfação do trabalhador. Eram para estar presentes todos os OTTs mostrando que estão insatisfeitos com a extinção dos cargos; os atendentes para demonstrarem indignação com o fechamento de agências, a sobrecarga de trabalho e a falta de segurança, ainda os motociclistas para dizer que não vão aceitar ser substituídos por motoboys. Sem uma grande mobilização fica difícil enfrentar o TST”, exclamou a presidenta do sindicato.

Mesmo com o resultado final da campanha aquém do esperado pela maioria da categoria, o texto do tribunal freou os ataques da direção da empresa. Agora, temos que acumular forças para tencionar o TST com o ingresso do PMPP. Vamos nos manter mobilizados, em estado de greve, denunciando e lutando contra os descontos absurdos da Postal Saúde no rendimento dos funcionários. Estamos em meio a uma guerra onde a paz triunfará somente com a vitória por meio da nossa união.

 

Agradecimentos especiais ao Emerson, Amanda, Rivaldo e toda a diretoria da Fentect.

Ainda não há comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Associação dos Analistas de Correios do Brasil

SGCV, LT 11, Bloco C, SL 121, Park Studios, Zona Ind. Guará – Brasília- DF, CEP 71.215-610
CNPJ 24.712.944/0001-50
Portal: www.aacb.org.br
Direto: contato@aacb.org.br

Associação dos Analistas de Correios do Brasil,

SIGA-NOS

»