Ministérios vão receber R$ 4,1 bilhões de ‘sobras’

Com a folga do orçamento de R$ 4,147 bilhões, a equipe econômica pretende desbloquear recursos para pagamento da cota brasileira no Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), o “banco dos Brics”; capitalizar os Correios; e reforçar o Fundo de Garantia de Exportações. Até amanhã o governo divulga decreto com a distribuição completa dos recursos. A demanda dos ministérios foi de mais de R$ 9 bilhões.

Em reunião na última terça-feira, a Junta de Execução Orçamentária (JEO) – formada por Planejamento, Fazenda e Casa Civil – selecionou algumas pastas que terão suas demandas atendidas. Ficou combinado, por exemplo, que a Fazenda terá um reforço de caixa de R$ 1,505 bilhão. Deste montante, a previsão é que R$ 932,5 milhões sejam destinados à integralização de cotas do chamado banco dos Brics.

O Fundo de Garantia de Exportações, que também está no guarda-chuva da Fazenda, deve receber R$ 398 milhões e mais R$ 130 milhões vão para os sistemas informatizados da Receita Federal, em despesas com o Serpro e o Dataprev. Além disso, a pasta comandada por Eduardo Guardia deve receber mais R$ 45 milhões para o Fundo Garantidor da PPP da Aeronáutica.

Para o Ministério da Ciência e Tecnologia, a equipe econômica pretende autorizar aumento de gasto no valor de R$ 224 milhões, recurso que será destinado para capitalização dos Correios.

Nas discussões ficou acertado ainda que o governo vai cancelar R$ 234 milhões para o pagamento de emendas parlamentares que não são impositivas. Segundo fontes que acompanham as discussões, um dos maiores embates travados na última reunião foi em relação a verba para a Integração Nacional. Apesar de uma demanda de crédito para o PAC de R$ 388 milhões e para despesas discricionárias de R$ 842 milhões, ficou acertado na triagem inicial a liberação de apenas R$ 2 milhões para a construção do canal do Sertão Baiano.

O presidente Michel Temer fez um apelo aos seus ministros da JEO para que eles remanejem os recursos de uma forma a tentar concluir o maior número de obras possíveis até o fim do seu mandato. Temer quer realizar uma “agenda extensa de viagens” após o fim do período eleitoral.

Também deverão ser atendidos com um maior volume de recursos os ministérios da Defesa, Justiça, Planejamento, Desenvolvimento Social, Saúde, Direitos Humanos, Cidades, Agricultura, Transportes, Ciência e Tecnologia, Relações Exteriores e Turismo. O Ministério da Educação, apesar de uma demanda de crédito de R$ 1,4 bilhão, a princípio, não será contemplado. Por Carla Araújo e Edna Simão, Valor.

Ainda não há comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Associação dos Analistas de Correios do Brasil

SGCV, LT 11, Bloco C, SL 121, Park Studios, Zona Ind. Guará – Brasília- DF, CEP 71.215-610
CNPJ 24.712.944/0001-50
Portal: www.aacb.org.br
Direto: contato@aacb.org.br

Associação dos Analistas de Correios do Brasil,

SIGA-NOS

»